01-07agosto

Festival Internacional de Documentário de Melgaço

identidade, memória e fronteira

joão gigante

Apresentação

MDOC-Festival Internacional de Documentário de Melgaço, organizado pela Câmara Municipal de Melgaço e pela Associação AO NORTE, pretende promover e divulgar o cinema etnográfico e social, refletir com os filmes sobre identidade, memória e fronteira, e contribuir para um arquivo audiovisual sobre o território.

MDOC/2022 é marcado por alguns eixos principais:

Prémio Jean-loup Passek
para o Melhor Filme

O Júri Oficial atribui um troféu e um prémio pecuniário aos vencedores:
− Melhor longa-metragem internacional – 3000 euros;
− Melhor curta ou média-metragem internacional – 1500 euros;
− Melhor documentário português (filmes de produção e/ou realização portuguesa) – 1000 euros.

Prémio D. Quixote

• Atribuído pelo Júri Federação Internacional de Cineclubes. O Prémio D. Quixote da IFFS – Federação Internacional de Cineclubes consiste num diploma e na promoção do filme vencedor em todo o mundo através da rede de cineclubes.

Prémio Jean-loup Passek
para o Melhor Cartaz de Cinema

Promovido pelo Museu de Cinema de Melgaço – Jean-Loup Passek e pelo MDOC – Festival Internacional de Documentário de Melgaço. O Prémio será atribuído a um cartaz original criado para promover um filme documentário, de animação ou de ficção, com produção portuguesa ou galega. O Júri do Prémio Jean-Loup Passek para o melhor cartaz de cinema será designado pela organização do MDOC e constituído por três individualidades ligadas ao design, ao cinema ou à comunicação e terá o valor de 2.000 euros (dois mil euros), atribuídos ao designer ou equipa que criou o cartaz.

Fora de Campo
Curso de Verão

Um encontro de reflexão, debate e desenvolvimento de pesquisa e práticas criativas no âmbito do Cinema, das Ciências Sociais, das Artes e das Ciências da Comunicação.
O curso de Verão 2022 centra-se na temática geral do Festival Internacional de Documentário de Melgaço - Identidade, Memória e Fronteira e aborda questões do Antropologia Visual / Antropologia e Cinema a partir de projetos de pesquisa e de produção audiovisual e de narrativas digitais. Procura-se também articular e pôr em contacto experiências criativas de proveniências diversas – de cineastas, associações científicas e artísticas e investigadores de universidades e produtores culturais, países e continentes diversos.
O Curso de Verão conta com a coordenação de José da Silva Ribeiro e é uma iniciativa da AO NORTE, através do seu Grupo de Estudos de Cinema e Narrativas Digitais em colaboração com a Câmara Municipal de Melgaço.

Plano Frontal
Residência Cinematográfica e Residência Fotográfica

Residência que, em cada edição do Festival, produz documentários e projetos fotográficos sobre a região. Tem como principais objetivos promover o filme documentário e o aparecimento de novas equipas técnicas e artísticas; e contribuir para um arquivo audiovisual sobre Melgaço e o seu território, dotando o Espaço Memória e Fronteira de filmes sobre o património imaterial da região.
Plano Frontal tem como destinatários todos os que tenham concluído recentemente a sua formação ou os alunos em final de curso que frequentem Escolas do Ensino Superior de Cinema e de Audiovisuais.
Pedra Sena Nunes é o realizador/tutor, com experiência profissional e pedagógica, que orienta a realização dos documentários, coordenará a planificação das tarefas e proporcionará uma reflexão sistematizada sobre o trabalho produzido diariamente. Estes processos serão apoiados por equipa técnica e operacional da Associação AO NORTE.

• Quem Somos os que Aqui Estamos?

Um projeto que interroga o espaço geográfico e a sociedade local, este ano dedicado à União de Freguesias de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro, do concelho de Melgaço.
O projeto QUEM SOMOS OS QUE AQUI ESTAMOS? terá visibilidade através de:

  • Registo audiovisual – Fotografia Faladas;
  • Uma exposição de fotografia documental, a inaugurar na Casa da Cultura de Melgaço, durante o MDOC – Festival Internacional de Documentário de Melgaço;
  • Um catálogo sobre a exposição de fotografia documental;
  • A recolha e digitalização de fotografias de álbuns familiares de habitantes de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro;
  • Uma exposição de fotografia a partir dos álbuns familiares, a inaugurar na freguesia de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro;
  • Uma publicação sobre o trabalho realizado Produzido pela Associação AO NORTE, este projeto será coordenado por Álvaro Domingues, terá produção executiva de Rui Ramos e conta com colaboração de Albertino Gonçalves, Carlos Eduardo Viana, Daniel Maciel, Miguel Arieira, Daniel Deira e João Gigante.