Prémios

Jean Loup Passek

D. Quixote

Candidatos a

MELHOR CURTA
OU MÉDIA-METRAGEM

Transit

de Hugo Dos Santos | França, 2021, 40’


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
• MELHOR DOCUMENTÃRIO PORTUGUÊS
Candidato ao Prémio D. Quixote

3 ago

Casa da Cultura

15:00

transit

Transit


Ninguém queria dar um nome ao bairro nos subúrbios de Paris onde cresci, um bloco de apartamentos construído para realojar os migrantes das favelas de Conflans-Saint-Honorine. Voltei a este lugar para lhes dar um nome e uma história, permitindo que toda a estória fosse contada pelos próprios habitantes.

  • Imagem: Renaud Drovin
  • Som: Charles Le Morvan
  • Montagem: Sébastien Descoins
  • Produção: Anne Luthaud
trailer
hugo dos santos
Hugo Dos Santos

Hugo Dos Santos é licenciado em História Contemporânea e Cinema. Depois de uma carreira no documentário onde trabalhou nos arquivos audiovisuais de filmes sobre imigração, exílio, colonialismo ou lutas sociais, voltou-se para o jornalismo em paralelo.

Quis saber quem sou I wanted to know who i am

de António Aleixo | Portugal, 2022, 22’


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
• MELHOR DOCUMENTÃRIO PORTUGUÊS
Candidato ao Prémio D. Quixote

3 ago

Cinema na Torre

15:00

quis saber quem sou

Quis saber quem sou


Em 2021, o realizador António Aleixo abre uma Caixa de Pandora. Onze horas de imagens em Super 8 filmadas pelos seus avós. E com ela surge a questão que dá nome a este documentário catártico onde se expõem heranças e fragilidades de uma dinâmica familiar. Quanto da raiz ainda vive no fruto?

  • Imagem: João Bernardo Souza
  • Som: Conrad Harvey
  • Montagem: António Aleixo
  • Produção: António Aleixo
trailer
antónio aleixo
António Aleixo

Galardoado com o Prémio Sophia da Academia Portuguesa de Cinema em 2019 para melhor curta-metragem, entre outros anteriores, no fundo sou um contador de histórias com um olhar afiado para o ritmo e as emoções. Vivo para inspirar os outros e tenho orgulho ao perceber que, de filme em filme, fico cada vez melhor naquilo que faço.

Paz Peace

de José Oliveira, Marta Ramos | Portugal, 2021, 25’


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
• MELHOR DOCUMENTÃRIO PORTUGUÊS
Candidato ao Prémio D. Quixote

5 ago

Casa da Cultura

17:00

paz

Paz


Um grupo de veteranos da guerra colonial portuguesa reúne-se na actualidade. Entre canções e lembranças, o passado vai tomando conta deles.

  • Imagem: Pedro Bessa, José António Loureiro
  • Som:
  • Montagem: José Oliveira, Marta Ramos
  • Produção: José Oliveira, Marta Ramos
trailer
josé oliveira
José Oliveira

Desde 2010, José Oliveira assina vários projetos, incluindo Pai Natal (2010) e Longe (2016, apresentado no Festival de Cinema de Locarno). Em 2020, finalizou dois longas-metragens: Os Conselhos da Noite e Guerra (co-dirigido por Marta Ramos). Paz, co-realizado com Marta Ramos, é o seu último projeto. Escreve regularmente sobre cinema na Foco - Revista de Cinema e é cofundador do Lucky Star – Braga’s Film Club, juntamente com João Palhares. Eles são os autores de “A Voyage Through American Cinema”, livro que compila os seus textos sobre o filme que eles programaram. Atualmente leciona História do Cinema e Realização Cinematográfica na Escola Superior de Artes e Design de Cascais.

marta ramos
Marta Ramos

Marta Ramos nasceu em Lisboa em 1984, estudou no Fundão e na Guarda e regressou à capital para se licenciar em Arquitectura pela Universidade Técnica. No entanto, cantar foi a expressão que a prendeu por dentro e é essa vocação que ela quer seguir. Ela também colaborou em vários filmes independentes. PAZ, co-realizado com José Oliveira, é o seu último projeto.

And then they burn the sea

de Majid Al-Remaihi | Catar, 2021, 12’ 13”


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
Candidato ao Prémio D. Quixote

6 ago

Casa da Cultura

10:30

and then they burn the sea

And then they burn the sea


And Then They Burn the Sea é uma contemplação elegíaca sobre a memória e perda familiares. O cineasta Majid Al-Remaihi reflete sobre a experiência de testemunhar a perda de memória gradual e terminal da sua mãe ao longo de muitos anos. Tecendo um arquivo familiar pessoal, sonhos e rituais reencenados, o filme sublinha a promessa do cinema como um meio de acesso a memórias, mesmo quando praticamente irrecuperáveis.

  • Imagem: Mesa Prum
  • Som: Séverin Favriau
  • Montagem: Amit Chowdhury
  • Produção: Basel Owies
trailer
majid al-remaihi
Majid Al-Remaihi

Majid Al-Remaihi é cineasta e programador de cinema em Doha, Qatar. A curta-metragem “And Then They Burn the Sea” estreou em Locarno, 2021. O filme foi produzido sob a orientação do realizador Rithy Panh, nomeado pela academia de Hollywood e com o apoio do Qatari Film Fund. Atualmente, Majid está a desenvolver a sua próxima curta-metragem. Membro da equipa de programação de filmes do Doha Film Institute.

February 1st

de Leila Macaire, Mo Mo | Mianmar, 2021, 12’


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
Candidato ao Prémio D. Quixote

6 ago

Casa da Cultura

10:30

february 1st

February 1st


Dia 1 de fevereiro, 2021: os militares deram um golpe de estado na república de Mianmar. Através dos retratos de duas cineastas, uma birmanesa e outra francesa, que testemunharam o país sob perspetivas muito diferentes, este documentário visual explora, por meio de um diário de viagem, as suas reflexões sobre arte, revolução e liberdade.

  • Imagem:
  • Som: Emmanuel Jarrige
  • Montagem: Leila Macaire
  • Produção: Angele de lorme
trailer
leila macaire
Leila Macaire

Leila Macaire é uma realizadora e fotógrafa francesa que vive em Paris. Identidade e diversidade social são dois temas recorrentes na sua obra. Tanto no cinema como na fotografia, Leila questiona e defende os direitos humanos assim como os direitos das mulheres, encontrando expressão através de pesquisas visuais e estéticas.

mo mo
Mo Mo

Mo Mo é uma realizadora de cinema birmanesa e artista multidisciplinar radicada em Yangon. Em 2014, estudou Ecologia Humana no College of the Atlantic nos EUA e em 2017 terminou os seus estudos em Realização de Cinema na New York Film Academy. Na maioria dos seus trabalhos, ela adora explorar os aspetos metafísicos, identitários, femininos e pessoais na narrativa através do uso inovador de recursos visuais e sonoros.

In flow of words

de Eliane Esther Bots | Holanda, 2021, 22’


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
Candidato ao Prémio D. Quixote

6 ago

Casa da Cultura

10:30

in flow of words

In flow of words


In Flow of Words segue as narrativas de três tradutores/intérpretes do Tribunal Criminal Internacional para a antiga Jugoslávia. Eles traduziram depoimentos chocantes de testemunhas, vítimas e criminosos, sem nunca permitirem que as suas próprias emoções, sentimentos e histórias pessoais se manifestassem. Ao contrário da sua posição no tribunal, este filme coloca as suas vozes e experiências em primeiro plano.

  • Imagem: Daniel Donato
  • Som: Sergio Gonzalez Cuervo
  • Montagem: Eliane Esther Bots
  • Produção: Manon Bovenkerk
trailer
eliane esther bots
Eliane Esther Bots

Eliane Esther Bots (1986, Países Baixos) graduou-se cum laude no Master of Film na Netherlands Film Academy em Amsterdão. Os seus filmes foram exibidos no "IDFA" (NL), "Berlinale", Berlim (DE), "Cinema du Reel", Paris (FR), "New York Film Festival" (EUA), "International short film festival Oberhausen" ( DE), "Go Short", Nijmegen (NL), Kassel Dokfest (DE). Trabalha como docente de "Moving Image" na Universidade das Artes de Utrecht (NL).

Majmouan Subtotals

de Mohammadreza Farzad | Polônia I 2022 I 15’


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
Candidato ao Prémio D. Quixote

6 ago

Casa da Cultura

14:30

majmouan subtotals

Majmouan Subtotals


Alguma vez fizeste um registo dos teus cabelos grisalhos? Do número de casas que compraste ou alugaste? Do número de beijos que trocaste? Do número de vezes que voaste nos teus sonhos? Podes não o ter feito. Mas não faz diferença real numa vida vivida para além dos números.

  • Imagem:
  • Som: Hasan Shabankareh
  • Montagem: Amir Adibparvar
  • Produção: Krzysztof Franek, Krzysztof Pijarski, Kuba Mikurda, Stanisław Liguziński, Afsun Moshiry, Dagna Kidoń
trailer
mohammadreza farzad
Mohammadreza Farzad

Mohammadreza Farzad (1978) Teerão, Irão. Poeta, tradutor literário e cineasta. A sua carreira no cinema documentário começou com “Into Thin Air” (2011) e “Blames and Flames” (2012). Ambas as curtas-metragens estrearam no Berlinale Forum Expanded. Farzad foi aluno de doutoramento na Film Factory liderada pelo legendário autor húngaro Béla Tarr. Atualmente está a trabalhar na sua primeira longa-metragem “A Gaze Long into the Abyss”.

You can’t automate me

de Katarina Jazbec | Holanda, 2021, 20’


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
Candidato ao Prémio D. Quixote

6 ago

Casa da Cultura

14:30

you can’t automate me

You can’t automate me


Antes de os navios porta-contentores zarparem do porto, os amarradores prendem os contentores usando pesadas barras de metal. São os últimos trabalhadores portuários a desempenhar tarefas tão perigosas cercados por veículos autónomos e guindastes operados remotamente. Cada corpo conta a sua própria história: desde o luto por um colega que morreu a trabalhar até ao processo de simplesmente continuar. Animais clandestinos aparecem como visões de um mundo mais natural.

  • Imagem: Matija Pekić
  • Som: Jorick Bronius, Giliam Spliethoff
  • Montagem: Jesse Immanuel Bom, Katarina Jazbec
  • Produção: Sem Janssen, Katarina Jazbec
trailer
katarina jazbec
Katarina Jazbec

Katarina Jazbec é uma artista visual que trabalha em cinema e fotografia. Nasceu em 1991, na Eslovénia, e vive em Roterdão desde 2015. Licenciada pela Faculdade de Economia de Ljubljana e Mestre em Fotografia pelo AKV | Academia de arte St. Joost em Breda (NL). No seu trabalho, baseado em pesquisas participativas de longa data, Katarina constrói heterotopias e busca novas formas de contar histórias enquanto explora as questões urgentes de ética, identidade, agência e armadilhas da nossa atual economia dominante.

Arousak The doll

de Elahe Esmaili | República Islâmica do Irão, 2021, 30’


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
Candidato ao Prémio D. Quixote

6 ago

Casa da Cultura

14:30

you arousak

Arousak The doll


Depois de consultar os seus familiares, um pai de 35 anos consente no casamento da sua filha de 14 anos. Sendo composta por indivíduos com perspetivas diferentes, a sua família debate-se com a decisão.

  • Imagem: Emad Araad
  • Som: Mohammad Ghasemi
  • Montagem: Delaram Shemirani, Bahram Emrani
  • Produção: Elahe Esmaili
trailer
elahe esmaili
Elahe Esmaili

Bacharelato em Cinema pela Universidade de Arte de Teerão, 2016-2020. Estudante de mestrado em Realização, NFTS, 2021-2023. Elahe preocupa-se com os direitos das crianças e das mulheres; Questões como o casamento infantil, abuso infantil, negligência ou violência dos pais, estupro, mulheres contra mulheres e desigualdades sociais.

Ali and his miracle sheep

de Maythem Ridha | Iraque, 2021, 26’


Candidato ao Prémio Jean-Loup Passek
• CURTA OU MÉDIA-METRAGEM
Candidato ao Prémio D. Quixote

6 ago

Casa da Cultura

14:30

ali and his miracle sheep

Ali and his miracle sheep


Guiado pelo assombroso lamento Sumério da avó, o mudo Ali, de 9 anos, leva a sua ovelha Kirmeta para ser sacrificada, numa viagem extenuante de 400 km pela paisagem do Iraque, destruída por anos de guerra, até ao santuário de uma antiga divindade. Ao longo da jornada, Kirmeta ganha cada vez mais resistência e acaba por fugir para escapar ao seu destino sangrento. Ali eventualmente encontra Kirmeta entre destroços de carros que sobraram de décadas de violência e falsas promessas de liberdade. Quando Kirmeta desmaia de exaustão, os peregrinos pensam que ela está morta. Mas com as orações contínuas da avó na aldeia, Kirmeta recupera de forma misteriosa. Testemunhando tal facto, os peregrinos declaram-na uma OVELHA MILAGROSA, reputação que os acompanha no resto da viagem. Poderão o menino e a ovelha sobreviver às dificuldades e aceitar o seu destino? Um filme híbrido lírico cujo simbolismo expõe o sofrimento de uma nação cuja única esperança é uma criança muda e a sua ovelha “milagrosa”.

  • Imagem: Duraid Al Munajim
  • Som:
  • Montagem: Zainab Al-hariri
  • Produção: Maythem Ridha
trailer
maythem ridha
Maythem Ridha

Maythem passou os seus anos de formação no Iraque antes de fugir com a família para o exílio. Ele tem muitos anos de experiência na criação de projetos premiados de cinema e fotografia. Os seus filmes foram selecionados e exibidos em importantes festivais internacionais de cinema, distribuídos em cinemas e conquistaram vários prémios e louvores.