Scroll To Top

Participantes

Abi Feijó

Abi Feijó

Realizador, Produtor, Professor de Cinema de Animação e Diretor da Casa Museu de Vilar. Licenciatura nas Belas Artes do Porto (80). Estágio no National Film Board do Canadá (85), onde realiza o seu primeiro filme. Funda a Filmógrafo (87), a Casa da Animação (01), a Ciclope Filmes (02) e a Quinta Imagem (12). Como Realizador, assina os filmes: Oh que Calma (85), A Noite saiu à Rua (87), Os Salteadores (93), Fado Lusitano (95), Clandestino (00) e Nossa Senhora da Apresentação (15) entre outros, com os quais recebe mais de 40 prémios e menções. Exerce ainda funções de Produtor (desde 97): A Noite (99), História Trágica com Final Feliz (05) e Kali o Pequeno Vampiro (12) de Regina Pessoa, Amélia & Duarte (15) de Alice Guimarães e Mónica Santos. Os filmes produzidos receberam cerca de 95 prémios e menções. Orienta vários workshops de Cinema de Animação em Portugal, Espanha, França, Itália, Israel, Escócia, Polónia, Brasil, México, Líbano e China, sobretudo com crianças (desde 85) e jovens. É Professor na Universidade Católica do Porto (99-01), na ESAP (02-16), Na Tainan National University of the Arts (Taiwan) (06-09), na ESAG de Guimarães (desde 2009) e na Universidade do Algarve (12-13), Na BAU – Centro Universitário de Diseño de Barcelona (15-17). Desempenha ainda as funções de Presidente da ASIFA - Associação Internacional do Filme de Animação (00-02) e de Vice Presidente do ASIFA Workshop Group (95-01). Co-autor do manual interactivo Teaching With Animation (www.animwork.dk/twa). Presentemente dirige a Casa Museu de Vilar - a Imagem em Movimento - (desde 14) e produz as curtas metragens de Animação: Tio Tomás e a Contabilidade dos Dias de Regina Pessoa, em co-produção com o ONF/NFB do Canadá e com Les Armateurs (França) e ainda Ride de Paul Bush, uma co-produção com a Ancient Mariner, Reino Unido.

Agostino Ferrente

Agostino Ferrente

Nascido em 1971 em Cerignola, Itália, Agostino Ferrente é realizador, produtor e diretor artístico. Foi coordenador editorial de revistas e noticiários dirigidos a comunidades de italianos residentes no exterior. Depois de se formar nas DAMS em Bolonha e participar do Ipotesi Cinema de Ermanno Olmi, realizou curtas-metragens e videoclipes, produzidos pela sua produtora Pirata Manifatture Cinematografiche. Integra também a banda multiétnica L'Orchestra di Piazza Vittorio. Em 2001, colaborando com dez cúmplices, fundou o grupo "Apollo 11" em Roma, com o objetivo de salvar o histórico cinema Apollo de se tornar uma sala de bingo. Ao promover cinema, música e escrita, o grupo transformou-se num dos centros culturais mais animados da capital italiana, o primeiro com um programa contínuo dedicado ao cinema do real. Atualmente está a trabalhar na sua primeira longa-metragem não documental.

Alexandra Wesolowski

Alexandra Wesolowski

Nascida em Katowice, Polónia, Alexandra Wesolowski estudou ciências políticas na Friedrich-Alexander-Universität em Erlangen e terminou os seus estudos na Universidade de Televisão e Cinema de Munique. É membro da Fundação Leo-Kirch de Arte de Mídia e trabalhou como palestrante e produção de conteúdos. “Impreza - The Celebration”, o seu documentário como realizadora, ganhou o Prémio Jean Loup Passek - Melhor Documentário Longa Metragem Internacional em 2018.

Albertino Gonçalves

Albertino Gonçalves

Albertino Gonçalves é licenciado em Sociologia pela Universidade de Paris V – Sorbonne (1981) e doutorado em Sociologia pela Universidade do Minho (1994), onde fez a agregação no grupo disciplinar de Sociologia (2005). Tem lecionado, desde 1982, disciplinas da área da metodologia das ciências sociais e da sociologia da cultura, dos estilos de vida e da arte. É coordenador dos cursos de pós-graduação do Instituto de Ciências Sociais, membro da comissão instaladora da Casa Museu de Monção e investigador do Centro de Estudos Comunicação e Sociedade.

Álvaro Domingues

Álvaro Domingues

Álvaro António Gomes Domingues (Melgaço, 1959) é geógrafo, doutorado em geografia Humana e professor associado da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. Actividade Docente: Professor do Mestrado Integrado em Arquitectura e do Curso de Doutoramento da FAUP; Membro do Conselho Científico da FAUP; Professor do Mestrado “Projecto do Ambiente Urbano” (FAUP/FEUP); Professor do Curso de Doutoramento da Fac. de Arquitectura da Universidade de Coimbra; Professor dos Cursos de Verão da Fundação de Serralves; Professor convidado da Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professor Convidado da Universidade de Granada. Colabora regularmente com outras universidades, fundações, jornal Público, associações profissionais e culturais, e desenvolve uma actividade regular como conferencista. Áreas de Investigação: Geografia Urbana, Urbanismo, Paisagem, Territórios, Políticas Culturais. Dos seus livros recentes destacam-se: Vida no Campo (ed. Dafne, Porto, 2012), A Rua da Estrada (ed. Dafne, Porto, 2010) e Políticas Urbanas II, (Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2012 com Nuno Portas e João Cabral)

Alessandro Ricardo Campos

Alessandro Ricardo Campos

Doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Sociologia e Antropologia – PPGSA / UFPA, Mestre em Antropologia Social pelo mesmo Programa (2014), e Especialista em “Educação e Saberes Africanos e a Implementação da lei 10.639” pela Universidade Federal do Pará (2012). É graduado em Ciências Sociais também nesta universidade (2005). Atua como Professor (Classe II) na Secretaria Estadual de Educação (SEDUC / PA) e como docente externo da UFPA. É membro-fundador do Grupo de Pesquisa em Antropologia Visual e da Imagem – Visagem / PPGSA, e editor da Revista Eletrônica Visagem. Atua como membro da curadoria das mostras do Festival do Filme Etnográfico do Recife e coordenador do Festival do Filme Etnográfico do Pará

Alfonso Palazón

Alfonso Palazón

Doutor e licenciado em Ciências da Informação e Comunicação pela Universidade Complutense. Prémio Internacional Aurélio Paz dos Reis, 2016. Professor titular de Comunicação Audiovisual na Faculdade de Ciências da Comunicação da Universidade Rey Juan Carlos. Trabalhou em diferentes projetos Audiovisuais como realizador, produtor e guionista. Atualmente desenvolve como co-produtor o projeto transmedia A Primavera Rosa.

Bernard Despomadères

Bernard Despomadères

Licenciado em Direito e Ciências Políticas. Desempenhou, entre outras, funçoes de Professor, Diretor do Departamento Arte e Cultura do Institut Français du Portugal; responsável pela organização da Festa do Cinema Francês no Porto, Co-fundador da Alliance Française de Porto (membro do Conselho de Direção), colaborador de Jean Loup Passek na criação, e mais tarde, na gestão do Museu de Cinema de Melgaço, Produtor Executivo do filme de Jean Rouch e Manoel de Oliveira En une poignée de mains amies.

Catarina Mourão

Catarina Mourão

Estudou Música, Direito e Cinema (MA Brisol University). Em 1998 foi uma das fundadoras da Apordoc, Associação pelo Documentário e começou a dar aulas de Cinema e Documentário em 2000. No mesmo ano, com a realizadora Catarina Alves Costa fundou a Laranja Azul, uma produtora independente de Documentário e Artes Visuais.

Daniel Maciel

Daniel Maciel

Doutorado em Antropologia – Poder, Resistência e Movimentos Sociais, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Desenvolve investigação sobre usos e práticas de cultura direcionados a populações marginalizadas, com especial interesse na sua aplicação em contextos prisionais. Com a AO NORTE tem vindo a colaborar em projetos de recolha, inventariação e reflexão em torno de fotografias históricas em álbuns pessoais.

Denise Machado Cardoso

Denise Machado Cardoso

Antropóloga, graduada em História e doutora em Desenvolvimento Socioambiental. Coordena o Grupo de Pesquisa em Antropologia Visual e da Imagem (Visagem) e Grupo de Estudos sobre Populações Indígenas Eneida Correa de Assis (GEPI). Participa da equipe de coordenação do Comitê de Antropologia Visual da Associação Brasileira de Antropologia (CAV-ABA). Atua como coordenadora do Laboratório de Antropologia Arthur Napoleão Figueiredo (LAANF) e como docente no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) e Programa de Pós-Graduação em Cidades, Territórios e Identidades (PPGCITI) da Universidade Federal do Pará.

Dina Naser

Dina Naser

Realizadora, escritora e produtora jordana de origem palestiniana, Dina Naser é bacharel em Arte e Design Gráfico. Foi bolseira do DOCNOMADS Mobile Documentary School - um programa de mestrado de dois anos em Lisboa, Budapeste e Bruxelas. Os seus primeiros filmes são inspirados em histórias de sua terra natal. O documentário "Shamieh" (2011) retrata uma mulher palestina idosa que vive no campo de refugiados de Zizya, na Jordânia. "One Minute" (2015) conta a história de uma mulher que viveu o ataque a Gaza em 2014. "Sea Wash" (co-realizadora, 2016), um filme experimental curto, sobre refugiados que perderam a vida na travessia no mar.

Eduardo Brito

Eduardo Brito

Eduardo Brito trabalha em museologia, cinema e fotografia. Tem o Mestrado em Estudos Artísticos, Museológicos e Curadoriais pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, com a tese Claro Obscuro – Em Torno das Representações do Museu no Cinema. Pertence ao Núcleo de Arte e Intermedia do I2ADS da FBAUP. Foi coordenador do Reimaginar Guimarães, projeto de arquivo, curadoria e edição de espólios fotográficos desenvolvido na Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura. Entre a escrita, a fotografia e o cinema, os seus trabalhos têm explorado os temas verdade-ficção-memória, bem como a relação texto-imagem: assim com o livro As Orcadianas (Grisu, 2014) e com as séries fotográficas 5 p.m. Hotel de la Gloria (com Rui Hermenegildo, 2015), Revisão e Un Samedi Sur Terre (2017). Escreveu o argumento dos filmes O Facínora (Paulo Abreu, 2012), A Glória de Fazer Cinema em Portugal (Manuel Mozos, 2015) e O Homem Eterno (Luís Costa, 2017). Realizou a curta metragem Penúmbria (2016).

Glaúcia Davino

Glaúcia Davino

Doutora em Ciências da Comunicação - USP. Mestre em Artes - USP. Bacharel em Comunicação Social-Cinema - USP. Tem experiência profissional em audiovisual. Docente no Programa de Pós Graduação Interdisciplinar "Educação, Arte e História da Cultura", na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Líder do Grupo de Pesquisa NAV - Núcleo Audiovisual. Realiza pesquisa sobre roteiro audiovisual desde 1989. Tem desenvolvido pesquisa inédita sobre roteiristas brasileiros. Criou e coordena, desde 2009, os Seminários Histórias de Roteiristas. Investiga temas nas áreas de linguagens relacionadas ao audiovisual às mídias e tecnologias contemporâneas, com enfoque em procedimentos criativos.

Gloria Gómez-Escalonilla

Gloria Gómez-Escalonilla

Licenciada em Jornalismo e Doutora em Comunicação Audiovisual pela UCM. Professora titular de Comunicação na Universidade Rey Juan Carlos, Madrid. Diretora do Mestrado Oficial de Jornalismo Digital e Novos Perfis Profissionais da URJC.

Graça Lobo

Graça Lobo

Graça Lobo é Mestre em Gestão Cultural com Tese em Formação de Públicos para o Cinema. Foi Coordenadora do Grupo de Projeto do Plano Nacional de Cinema, nos anos de 2012/13 e 2013/14. É coautora e Coordenadora do Programa Juventude/Cinema/Escola da Direção Regional de Educação do Algarve desde 1997/98. É coautora do Programa da Disciplina de Opção de Cinema do 3º ciclo do Ensino Básico. Foi Professora do ensino Secundário e do ensino Básico entre 1975 e 1997 e professora supervisora na Formação de Professores da Escola Superior de Educação do Algarve de 1993 a 1996. Foi Professora convidada pela Universidade do Algarve para lecionar disciplinas de Cinema entre 1994 e 2001. É Formadora acreditada pelo Conselho de Formação Contínua de Professores, tendo realizado dezenas de ações de Formação em Literacia Fílmica, desde 1999. Foi vice-presidente do Cineclube de Faro de 1996 a 2008. Coordenou várias publicações na área do cinema. Tem feito Comunicações em Congressos Nacionais e Internacionais.

Isa Catarina Mateus

Isa Catarina Mateus

Fez a parte curricular do Mestrado em História de Arte Contemporânea pela Universidade Nova de Lisboa (2000) e a Licenciatura em Estudos Portugueses- ramo de especialização científica pela Universidade do Algarve (1998). Tem o Curso de Educação Musical e piano, pelo Conservatório Regional do Algarve (1992). Fez rádio. Foi membro fundador do RADIX, do Ministério da Cultura. Foi coordenadora editorial da Revista Sul. Professora de Educação Musical, Educação Cívica e de História e Geografia de Portugal no ensino básico. Docente de Movimentos Artísticos Contemporâneos no ensino superior. Formadora de Comunicação Visual e de Fotografia e Vídeo e autora dos materiais pedagógicos para a unidade curricular de psicanálise da Universidade do Algarve. Formadora de História da Arte e de Tecnologias Educativas, Meios Audiovisuais em Ações da Formação Contínua de Professores. Integrou a equipa de Formação Artística, na área da Literatura e da Escrita no Projeto Da minha janela vejo um monumento da Direção Regional da Cultura do Algarve. Foi Coordenadora da Formação do Plano Nacional de Cinema, Formadora das Ações de Formação de Iniciação, de Continuidade e de Acompanhamento de professores e Autora dos materiais pedagógicos do PNC (2012-2014). Tem feito comunicações em congressos na área da História de arte e na área das literacias. Tem ainda publicado poesia e conto. Desenvolve oficinas de leitura, escrita e voz para alunos dos vários níveis de ensino. É colaboradora e autora dos materiais pedagógicos do Programa Juventude/Cinema/Escola e autora do Projeto VER para LER da Direção Regional de Educação do Algarve desde 2004. É Coordenadora da Comissão de Formação do Cineclube de Faro.

Iman Behrouzi

Iman Behrouzi

Nasceu em 1984 em Shiraz, no Irão, estudou cinema e realização na Universidade de Teerão. Atualmente estuda Cultura e Estudos Mídia na Universidade de Colónia, na Alemanha. Realizou e editou vários documentários e curtas-metragens de ficção. O "A Movie for You", estreou no Visions du Réel. "Amour du Réel" foi selecionado para ser exibido nos festivais de qualificação para os prémios Oscar e BAFTA, "Flickers' Rhode Island Film Festival" e "Aesthetica Short Film Festival" em 2018.

Janine Dauterich

Janine Dauterich

Janine Dauterich estudou edição cinematográfica na Universidade de Cinema e Televisão "Konrad Wolf" Potsdam Babelsberg. Trabalha como editora de documentários, filmes de ficção, música e filmes de arte. Foi nomeada para o prémio de Melhor Edição no German Camera Award, com o filme THE WAR ON MY PHONE.

Jean-Baptiste Garnero

Jean-Baptiste Garnero

Nos últimos quinze anos, Jean-Baptiste Garnero tem vindo a trabalhar na coletação e apresentação de coleções que são confiadas ou pertencem ao CNC (Centro Nacional Francês de Cinema). Portanto, ele supervisionou vários projetos destinados a reafirmar o valor do património cinematográfico francês em França e no estrangeiro por meio de organizações culturais como festivais, cinematecas, museus, escolas profissionais e a UNESCO. Em colaboração com Sophie Le Tétour (CNC), JB Garnero trabalha para promover a coleção Alexeïeff-Parker (filmes, exposições e conferências) e actualmente participa na produção do mais recente filme de Alexandre Alexeïeff e Claire Parker, novamente a realizarem filmes na França.

Jesús Ramé

Jesús Ramé

Licenciado e Mestre em Filosofia (UNED). Professor do Departamento de Comunicação Audiovisual da Universidade Rey Juan Carlos e profesor de pós graduação (UNED) do curso “Alfabetização Audiovisual para docentes”. Membro da equipa de investigação Intermedis (URJC) onde coordena projetos de alfabetização e criação audiovisual. Professor de Formação Profissional em Meios Audiovisuais (CES). Montador profissional.

João Gigante

João Gigante

Natural de Viana do Castelo, é licenciado em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes do Porto e realizou o Mestrado em Comunicação Audiovisual (Fotografia) na Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo do Instituto Politécnico do Porto. Mantém o seu percurso entre a prática das artes plásticas, tendo exposto o seu trabalho em diversas exposições no panorama artístico nacional e internacional e a prática de produção e organização de eventos e projetos artísticos e a projeção e organização de projetos de nível social e etnográfico, mantendo a sua característica artística e conceptual. O seu trabalho complementa as diferentes áreas de atuação plástica, como a fotografia, o vídeo, a sonoplastia, a instalação e o desenho. Desenvolve também projetos de cariz musical onde se destaca PHOLE e o projeto sonoplástico ARAME (com Miguel Arieira). É também, fundador e diretor da Revista PARASITA (com Hugo Soares).

João Lafuente

João Lafuente

João José do Coito Lafuente, licenciado em Matemática Aplicada pela Universidade do Porto, exerceu a função de técnico de informática na Caixa Geral de Depósitos. Dedica-se à fotografia desde a adolescência tendo trabalhos seus publicados em livros e revistas. Participou em exposições coletivas e realizou exposições individuais e em co- autoria com Manuela Matos Monteiro. De entre as várias exposições produzidas pode-se destacar “Carnaval em Veneza”, “As Vindimas”, “A luz do Cristalino”, “ Istambul – Roteiro da melancolia”, “Tropicana/Matanzas”, “A Sul de Dakar”,“ Istambul e Lisboa – Roteiros da melancolia”, De entre outras intervenções destaca-se o trabalho também em co-autoria, sobre o Douro: fotografia oficial dos 250 anos da região demarcada, exposição sobre a região na Assembleia da República (“O Douro no Tejo com Siza Vieira, José Rodrigues e Gracinda Candeias), no Parlamento Europeu/Bruxelas, em Paris, Bordéus, em Maputo e na Beira (Moçambique), em várias zonas do Douro e no Porto. Dirige, desde outubro de 2013, com Manuela Matos Monteiro, as galerias ESPAÇO MIRA e MIRA FORUM, em Campanhã, no Porto.

José da Silva Ribeiro

José da Silva Ribeiro

Licenciado em Filosofia, Bacharel em Cinema e Vídeo, Mestre em Comunicação Educacional Multimédia e doutor em Antropologia – antropologia visual e antropologia digital. Coordena o Grupo de Investigação Media e Mediações Culturais – CEMRI Universidade Aberta e o Grupo de Estudos de Cinema e Narrativas Digitais da AO NORTE. Colabora com Universidades, Centros e Grupos de Pesquisa e Festivais de Cinema em Portugal e no Brasil. Faz trabalho de campo, pesquisa e produção audiovisual no Brasil e em Portugal. Coordena com a Professora Alice Martins a REDARTH – Rede de Cooperação Internacional em Educação, Artes e Humanidades participa na Direção da AIETORG – Associação Internacional de Estudos Transculturais

Julia Kushnarenko

Julia Kushnarenko

Julia Kushnarenko nasceu em Moscovo e estudou realização no Instituto Gerasimov de Cinematografia. Completou os seus estudos na Escola Scream de Moscovo em composição de efeitos visuais. Trabalha como realizadora de documentários, diretora de fotografia e editora, e assume o seu fascínio por personagens contraditórias. Em 2017 conjuntamente com Veronika Sher fundou o International Dance Short Film Festival BODYSCOPE.

Jurek Sehrt

Jurek Sehrt

Estudou História e Espanhol em Berlim, Barcelona e Guadalajara (México). Desde 2007, administra a Área de Educação da Cinemateca Alemã - Museu do Filme e Televisão (Deutsche Kinemathek - Museum für Film und Fernsehen), em Berlim, onde é responsável por toda a programação educativa e iniciou vários projetos de educação cinematográfica e mediática. Além disso, trabalha como consultor e curador de outras instituições culturais e ensina, enquanto professor universitário, as disciplinas de história, museologia e ciências dos média (por exemplo, na Freie Universität Berlin, Universität Konstanz).

Konrad Domaszewski

Konrad Domaszewski

Terminou os cursos de Direito na Universidade de Varsóvia e Estudos de Cinema na Universidade Jagiellonian em Cracóvia. Foi diretor assistente do importante filme polaco Ciacho (realizado por Patrick Vega, 2010). Em 2011, criou o clube de cinema FaktorBerlinski, onde continua fortemente envolvido no seu trabalho. No festival 48 Hours Film Project Varsóvia em 2012, o seu filme “Quantos Graus Estão Numa Voz Quente?” ganhou 6 prémios, incluindo filme do ano. Ele criou o estúdio de cinema independente Sashimodo Pictures (basicamente produzindo curtas-metragens, videoclipes e programas). O papel é evoluir continuamente como artista e não se limitar a qualquer gênero particular de filme. Ele gosta de Cronenberg, Polanski, Scorseese, Jodorowski e muitos outros diretores. Em 2014 foi membro do júri do 11º Festival Internacional de Cinema Miskolc do Jameson Cinefest, em 2017 foi membro do júri do 24º Festival Internacional de Cinema Etiuda & Anima e do XXIV Festival de Cinema de Caminhos em Coimbra, 2018.

Lisabete Coradini

Lisabete Coradini

Mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (1992) e Doutorado em Antropologia pela Universidad Nacional Autónoma de México (2000). Atualmente é Professora titular do Departamento de Antropologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Coordenadora do NAVIS Núcleo de Antropologia Visual, Diretório de Pesquisa/CNPq-UFRN. Realizou os seguintes filmes: No mato das mangabeiras, Seu Pernambuco, cinema moçambicano em movimento, Sila, Mulher Cangaceira, Mestre Zorro, entre outros. Membro da Comissão de Elaboração e de Avaliação do Roteiro de Classificação da Produção Audiovisual/CAPES. Membro da Comissão da Imagem e Som da ANPOCS nas gestões 2001-2002 e do GT Antropologia Visual da ABA (2009-2010) e (2011-2012). Publicou: Praça XV espaço e sociabilidade; Antropologia e Imagem; As cidades e suas Imagens. Organizou Dossiê sobre Cinema antropologia audiovisual. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Urbana e Audiovisual, atuando principalmente nos seguintes temas: cidades, espaços, memórias, narrativas, cinema, cinema africano e o uso da imagem. Atualmente é presidente da Comissão de Antropologia visual da ABA.

Manuela Matos Monteiro

Manuela Matos Monteiro

Manuela Matos Monteiro tem formação em Filosofia e Psicologia sendo co-autora de livros de Psicossociologia, Psicologia e autora de livros de Pedagogia, Metodologia de Projeto entre outros (Porto Editora). Dirigiu durante anos a revista 2:PONTOS e foi coordenadora do site NetProf. Dedica-se à fotografia há vários anos, participando com os seus trabalhos em exposições colectivas e individuais. O seu trabalho tem sido reconhecido através de prémios obtidos em diversos concursos de fotografia, de que se destaca o 1º prémio no concurso internacional “La femme et la vigne”. Tem trabalhos publicados em livros e revistas. De entre as diferentes intervenções pode-se destacar o trabalho em coautoria com João Lafuente, sobre o Douro. Desde 2011 desenvolve experiências com um smartphone explorando as potencialidades do dispositivo que capta e edita fotografias. Teve trabalhos selecionados e expostos em Los Angeles, Kansas City, Miami, Tokyo, Berlim, Florença, Verona entre outras. Realizou duas exposições individuais: no Ecomuseu de Montalegre (2012) e a exposição “Contemplação” na Casa Museu Abel Salazar (dezembro 2014). Uma das suas “Self(ie) evidence” obteve o 1º prémio na categoria de autorretrato no concurso MPA de 2014, o mais prestigiado prémio em fotografia mobile.

Maria Pinto Martin

Maria Pinto Martin

Artista literária e visual de formação, é atualmente argumentista e leitora na Pôle Image Haute-Normandie. Desenvolve também trabalho na área da produção - acompanhamento do desenvolvimento de projetos dos filmes produzidos por Antoine Martin Production e à Sancho et Compagnie, tanto ao nível da escrita, como no apoio e aconselhamento dos autores e re-gravação de arquivos. É realizadora de documentários e docuficção desde 2008.

Miguel Gonçalves Mendes

Miguel Gonçalves Mendes

Realizador, Argumentista e Produtor. Licenciado em Cinema pela Escola Superior de Teatro e Cinema, frequentou também os cursos de Relações Internacionais (Universidade Técnica de Lisboa), História – variante Arqueologia (Universidade Nova de Lisboa). Em 2002 fundou a JumpCut, produtora de teatro e cinema. O seu trabalho, José e Pilar, motivou um movimento popular único em Portugal, quando o blogue de cinema português "Split Screen" iniciou uma petição pedindo para que o Instituto do Cinema e Audiovisual português considerasse este como o candidato oficial português ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro 2012. Este gesto gerou um debate único em redor do cinema português, tendo feito cumprir o seu objetivo. Nesse ano, aos 33 anos de idade, Miguel Gonçalves Mendes foi o mais jovem realizador entre os candidatos à categoria de Melhor Filme Estrangeiro nos Óscares 2012. Entre os principais prémios recebidos destacam-se os de "Migliore Opera Portoghese sez Cultura Tradizioni d'Europa" no Prémio Europeo "Massimo Troisi" 2003 (Itália), Prémio Jovem Realizador no Festival Ovarvídeo 2003 e Prémio Melhor Documentário no FEST 2003 por Dona Nieves; Melhor Documentário Português no DocLisboa 2004 e o Grande Prémio Lusofonia no FamaFest 2005 por Autografia; Prémio do Público na Mostra de São Paulo 2010 (Brasil) e na mostra Visões Sul 2010 (Portimão, Portugal). A sua filmografia foi ainda alvo de uma retrospetiva integral no Festival de Cinema Luso-Brasileiro 2010 (Santa Maria da Feira, Portugal).

Mina Rad

Mina Rad

Mina Rad é diplomada em Comunicação e História pela Universidade de Paris. Foi jornalista internacional, apresentadora de rádio e televisão e repórter cultural. Desde 2012 é realizadora de documentários, após ter frequentado os Ateliers Varan. Em 2017, realizou o seu décimo filme “Jean Rouch, Regards Persans”. Desde 2013, é fundadora e presidente da APRESVARAN, associação de ex-alunos dos Ateliers Varan. É co-diretora do APRESVARAN Documentary Film Festival. Coordena também o Festival de Cinema Feminino para o Dia da Mulher. Francesa de origem iraniana, viveu e trabalhou na Europa e em diferentes partes do mundo: EUA, América Central e Ásia.

Mónica Ferreira

Mónica Ferreira

Mónica Ferreira é licenciada em Vídeo e Cinema Documental. Passou pelos festivais internacionais docLisboa e o FEST - Novos realizadores | Novo Cinema como assistente de produção e programação. Actualmente está a coordenar vários projetos no campo da cultura audiovisual inseridos no Cineclub Bairrada, e promove o cinema de jovens realizadores portugueses através do Shortcutz.

Neva Cerantola

Neva Cerantola

Licenciada em História e Crítica do Cinema (tese final sobre cinema português) na Faculdade de Letras e Filosofia da Universidade de Pádua – Itália | Colabora com o Festival 7Sóis 7Luas (1996-1999)| Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema desde 2000 | Direção da Festa do Cinema Italiano e da Associação IL SORPASSO (2008-2012). Cinemateca Júnior desde 2008.

Pedro Sena Nunes

Pedro Sena Nunes

Nasceu em Lisboa. Realizador de cinema, programador cultural e professor nos campos da criação artística, documental e experimental, Pedro Sena Nunes dirigiu vários projetos - documentários, filmes de ficção e comerciais - com o apoio da ICA / RTP. Co-diretor artístico da Vo'Arte e co-fundador da Companhia Teatro Meridional, presta consultoria e coordena diversos projetos culturais. Integrou as equipas do Fragile, Unlimited e European Video Dance Heritage (EVDH). É codirector dos festivais internacionais InShadow - Festival Lisboa ScreenDance, InArt - Festival de Artes da Comunidade e programa a secção Olhares Frontais dos Encontros de Cinema de Viana do Castelo. O seu trabalho artístico tem tido um foco crescente em práticas sociais através da expansão da dinâmica entre pessoas com necessidades especiais e artistas profissionais. Orquestrador e encenador de vários projetos teatrais, coreográficos e performativos, Pedro Sena Nunes, foi galardoado inúmeras vezes pelas suas obras cinematográficas, fotográficas e multidisciplinares, tanto em Portugal como no estrangeiro. Atualmente é coordenador pedagógico (ETIC) e professor no Cinema no Mestrado de Documentário (ESMAD). É doutorando na Universidade de Lisboa em Artes Performativas e Imagem em Movimento e investigador no GECAPA nas áreas experimentais e interseccionais entre corpo e imagem.

Raquel Pacheco

Raquel Pacheco

Raquel Pacheco é licenciada em Ciências da Comunicação, vertente Cinema pelo IACS – Instituto de Artes e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense (2000), Mestrado e Doutorado em Ciências da Comunicação, vertente Estudo dos Media e do Jornalismo pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2008 e 2016). Exerce a docência na UAL – Universidade Autónoma de Lisboa.

Regina Pessoa

Regina Pessoa

Licenciatura em Pintura pela Faculdade de Belas Artes do Porto, 1998. Coorientação de diversos workshops de Cinema de Animação, desde 1992. Em 1992 começa a trabalhar em animação:- Animadora no filme “Os Salteadores” de Abi Feijó, 92/93 - Animação e pesquisa gráfica para o filme “Fado Lusitano” de Abri Feijó, 94/95 - Animação em areia para o filme “Clandestino” de Abi Feijó, 2000 Em 1996 começa a realizar os seus próprios filmes de animação, obtém um grande reconhecimento e ganha inúmeros prémios, tornando-se uma referência incontornável da Animação Portuguesa. Todos os seus filmes fazem parte da lista de filmes do Plano Nacional de Cinema, e são estudados por crianças e jovens das escolas Portuguesas. Em 2016 torna-se “Senior Lecturer” na escola de Animação Alemã FILMAKADEMIE. Em 2018 torna-se membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood.

Rejane Zilles

Rejane Zilles

Cineasta, atriz e produtora. Graduada em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UNIRIO, atua no mercado da produção cinematográfica. É diretora e curadora do Festival Mimo de Cinema, desde sua primeira edição. O MIMO é realizado em Paraty, Olinda, Rio de Janeiro, São Paulo e Amarante/ Portugal. Dirigiu e produziu o curta-metragem O LIVRO DE WALACHAI – exibido em mais de trinta festivais dentro e fora do Brasil. Estreou como diretora de longa-metragem com o documentário WALACHAI - lançado em circuito nacional de cinemas em 2013. Rejane nasceu e viveu sua infância nesta comunidade de origem alemã no Sul do Brasil e aprendeu a falar português apenas aos sete anos de idade. Ao filmar, documenta seu povoado de origem.

Rodrigo Areias

Rodrigo Areias

Começou a sua vida profissional como músico e editor de música na editora Garagem, no cinema foi diretor de som de realizadores como Paulo Rocha ou Edgar Pêra. Licenciou-se em Som e Imagem na Escola das Artes com a especialização em Imagem. Fez também uma especialização em realização na Tisch School of Arts na Universidade de Nova Iorque e os programas de produção Eurodoc e Biennalle College de Veneza. Tem desenvolvido ao longo da sua carreira, trabalhos criativos na área de cinema de autor em ficção e documentário, alternando com outros trabalhos em domínios de videoarte e vídeo clips. Como produtor começou a sua carreira em 2001 e desde então produziu e co-produziu mais de 150 curtas, longas, vídeos e documentários. Produziu autores de renome como Edgar Pêra, João Canijo e F. J. Ossang, bem como jovens realizadores como André Gil Mata, João Rodrigues e Jorge Quintela e internacionais como Gabe Klinger, Teddy Williams e Oliver Laxe. Tem co-produzido com o Brasil, Reino Unido, França, Alemanha, Japão, E.U.A., Argentina, Finlândia... Venceu um Leão de Ouro para melhor documentário no Festival de Veneza e um Leopardo de Ouro no Festival de Locarno. As suas produções têm estreado nos maiores festivais de cinema do mundo como Cannes, Berlim, Veneza, Roterdão, Clermont Ferrand, Hannecy entre muitos outros. Através do estúdio de animação tem produzido várias curtas multipremiadas de autores como David Doutel, Vasco Sá ou Laura Gonçalves e Alexandra Ramires. Como realizador, entre vários filmes destaca-se Estrada de Palha (premiação internacional classe A) e Corrente com os quais esteve representado em mais de cinquenta festivais internacionais e foi galardoado com múltiplos prémios. Estreou recentemente a sua terceira longa-metragem de ficção Ornamento & Crime e a sua última longa Documental Hálito Azul estreou na competição First Look do festival de Locarno. Foi responsável pela produção de cinema de Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura onde produziu filmes de realizadores como Jean-Luc Godard, Aki Kaurismaki, Peter Greenaway, Manoel de Oliveira, Victor Erice, entre muitos outros.

Ronnie Manor

Ronnie Manor

Ronnie Manor \ CEO Maagalot Productions Ltd. A produtora Maagalot Productions (1993) produziu ao longo dos últimos anos programas como "Quem Quer Ser Milionário?", "Gav-Hauma”, "Avudim", (versão israelita de "find my family", atualmente na sua 12ª temporada. "Behind the Mask: the youth center case" - série documental de crime de 3 episódios para o canal Channel 12, 2018. "The Food Ambassadors", série Docu-Food de âmbito mundial. “Kan 11” conjunto de 3 documentários acerca dos colaboradores palestinianos no canal Kan 11.

Sandra Regina Chaves Nunes

Sandra Regina Chaves Nunes

Graduada em Letras pela Universidade de São Paulo, mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica: Literatura, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pós-Doutorado em Teoria Literária pela Universidade Federal de Minas Gerais e em História Social pela Universidade de São Paulo. Pesquisadora do Diversitas/USP e Professora do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Direitos e outras Legitimidades, do Diversitas/USP. Professora de Literatura e Dramaturgia, da Fundação Armando Álvares Penteado e de Comunicação e Expressão da Fatec. Foi Vice-Coordenadora do Diversitas/Usp e Coordenadora do INOVA/FATEC. Coordenadora do Grupo de Estudos Arte, Cultura e Subjetividade. Pesquisadora dos Grupos de Pesquisa Jean Rouch e Redhart. Autora do Blog Reescrituras Rubianas, e do ensaio biográfico sobre Murilo Rubião, em www.murilorubiao.com.br. Autora do Blog História Fotografada, História (Com)Partilhada

Sagit Shalom

Sagit Shalom

Sagit Shalom é Diretora de Produção na Maagalot Productions. É responsável pela série documental "Avudim", (versão israelita de "find my family", atualmente na sua 12ª temporada, "The Food Ambassadors", série Docu-Food de âmbito mundial, “Kan 11” conjunto de 3 documentários acerca dos colaboradores palestinianos no canal Kan 11. Produziu também The Ancestral Sin" The story of Israel's "development towns", para o Chanel 13.

Susana Sousa Dias

Susana Sousa Dias

Susana de Sousa Dias é doutorada em Belas-Artes, Audiovisuais (FBA-UL) e mestre em Estética e Filosofia da Arte (FL-UL). Estudou cinema na Escola Superior de Teatro e Cinema. Os seus filmes têm sido exibidos internacionalmente em contexto artístico e cinematográfico: Berlinale, Documenta (14), Viennale, BAFICI, Sarajevo IFF, Visions du Réel, Berkeley Art Museum & Pacific Film Archive, Harvard Film Archive, Arsenal Institut für Film und Videokunst, Museum of Contemporary Art of Ceará, Centre Pompidou, ICA London, La Colonie, Paris, MNAA, MNAC, etc. Recebeu vários prémios, entre os quais o Grand Prix Cinéma du Réel e o Prémio FIPRESCI pelo seu filme 48. Foi co-Directora do Doclisboa em 2012 e 2013 abrindo novas secções como Cinema de Urgência, Verdes Anos e Passagens (documentário & arte contemporânea). Lecciona na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

Tânia Dinis

Tânia Dinis

Tânia Dinis 1983, natural de Vila Nova de Famalicão, vive e trabalha no Porto. Mestrado em Práticas Artísticas Contemporâneas pela FBAUP, 2015. Licenciatura em Estudos Teatrais, Ramo-Interpretação pela ESMAE, 2006. Em 2013, realiza a sua primeira curta-metragem, Não são favas, são feijocas, onde foi premiada em vários festivais de cinema, tais como: Dresdner Schmalfilmtage, Onion City Experimental Film and Video Festival, Festival OLHARES DO MEDITERRÂNEO e Curta 8 - Festival Internacional de Super 8 de Curitiba, Brasil. Realizou também, Arco da Velha em 2015, com dois prémios nos festivais Super Off e Curta 8, Brasil, dedicado ao Super 8, vídeo-instalação Linha em 2016 e Teresa. Em 2017 estreou LAURA na Competição Experimental do 25º Curtas Vila do Conde, recebeu prémio de melhor curta metragem no Arquivo em Cartaz - Festival Internacional de Cinema de Arquivo - Brasil, e Menção Honrosa do Júri no super festival Festival de Cinema Luso Brasileiro e Armindo e a Câmara Escura, em coprodução com o Observatório de Cinema - Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, estreia no Novíssimos do 15º IndieLisboa International Film Festival, filmes que continuam em circulação por vários festivais de cinema. Dirigiu a 2ª parte do espetáculo ÁLBUM DE FAMÍLIA, ( 1º parte de Isabel Costa ) a partir do espólio de fotografias de família d’ A Muralha - Associação de Guimarães -Teatro Oficina-Festivais Gil Vicente 2017, e em constante desenvolvimento, o projecto de criação IMAGINÁRIO FAMILIAR - ARQUIVO DE FAMÍLIA, onde surgiram as criações CURVA ASCENDENTE ( 2013 ) e ROTA ( pequena história de uma família ) ( 2015... ) TEMPORÁRIA ( 2018/19 ). O seu trabalho atravessa diversas perspetivas e campos artísticos, como o da fotografia, o da performance, o do cinema e o da estética relacional, tendo nos últimos anos trabalhado a partir de imagens de arquivo de família, pessoais ou anónimas, recorrendo também, a outros registos de imagem real, FEMALE ( 2012 ), MONO-LOGO ( 2015 ) um trabalho de pesquisa em torno do tempo-imagem-memória-sonho-mulher. Integrou vários projetos, tais como: 2018 - IMAGINÁRIO FAMILIAR - LINHA DE TEMPO, Museu Júlio Dinis Ovar, AMANHÃ FAREMOS TODOS PARTE DE UMA RECORDAÇÃO na Sputenik the window Porto, 2017 - Seminário Internacional Práticas de Arquivo em Artes Performativas, A Gentil Carioca-Abre Alas Brasil, XIX Bienal de Cerveira , 2016 - CAAA - "Trees Outside the Academy"!, 2015 - EVERYTHING SEEMS FINE FROM UP HERE, Solar - Galeria de Arte Cinemática - Vila do Conde, 2013 - Trabalha-Dores do Cu, Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural - Cia Excessos. Tem colaborado em projectos com curadoria de Eduarda Neves ( 2014 - Algumas razões para uma arte não demissionária, 2015 - CORRESPONDÊNCIAS e HORS- SÉRIE_ 2018), com a Produtora Bando à Parte e com o CAAA - Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura.

Tiago Baptista

Tiago Baptista

Diretor do Arquivo Nacional das Imagens em Movimento, o centro de conservação da Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema. Doutorado em Film and Screen Media pela Universidade de Londres (Birkbeck College), é investigador integrado do Instituto de História Contemporânea-NOVA FCSH e docente da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

Tiago Hespanha

Tiago Hespanha

Licenciou-se em arquitectura em 2004. Em 2012 completou o Master en Documental de Creación da Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona, Espanha. É sócio da produtora de cinema TERRATREME FILMES desde 2008. Em 2006 foi aluno do Curso de Realização de Documentários dos Ateliers Varan, produzido pela Fundação Calouste Gulbenkian. Desde esse momento tem trabalhado em cinema como realizador e colaborado com vários criadores em diferentes áreas. Em 2009 trabalhou na equipa permanente dos Ateliers Varan, em Paris, e em 2010/2011. Desde 2012 é professor no programa internacional de mestrado em documentário DOCNOMADS - European Documentary Master Course.
Realizou os filmes: Revolução Industrial, co-realizado com Frederico Lobo (2014 - Estreia Mundial no Visions du Réel, Nyon, Suiça), Visita Guiada (2009 - Prémio do Público no Festival Internacional de Cinema Indielisboa, editado em dvd pela TERRATREME), O Presente que Veio de Longe (2008 – Integra a Coleção “Tão Perto, Tão Longe” editada em dvd pela Fundação Calouste Gulbenkian), Despolido I e Despolido II (2007 – Prémio do Festival de Microfilmes de Lisboa), Andar Modelo (2007), Quinta da Curraleira (2006 – Prémio PrimeirOlhar, Encontros de Cinema e Vídeo de Viana do Castelo).

Trond Onarheim

Trond Onarheim

Coordenador do Festival na Costa Oeste da Noruega, especializado em literatura e teatro para jovens, colabora com o Festival Internacional de Cinema da Noruega em Haugesund para exibições locais de filmes de festival destinados a um público jovem. Trond é formado em Artes Visuais pela Universidade de Bergen e estudou Cinema Alternativo na Universidade de Oslo. Ele é um dos três membros fundadores da Stord Film Society, que se concentra em eventos de filmes colaborativos e conscientização social.

Yolanda Ribas Velázquez

Yolanda Ribas Velázquez

Trabalha desde 2005 na Filmoteca de Catalunya, como restauradora, onde realiza tarefas de inspeção, conservação e catalogação dos arquivos. Além disso, tem participado na recuperação de fundos fotográficos e fílmicos, na organização de exposições e em projetos de investigação relacionados com arquivos. Está neste momento a prosseguir a investigação da sua tese doutoral intitulada “La distribución cinematogràfica a Barcelona durant la Primera Guerra Mundial”, orientada por Palmira González, na Universidade de Barcelona.